goppp

Informações e notícias sobre colaborações público-privadas

(VE) Bancos se preparam para financiar infraestrutura

leave a comment »

Os bancos começam a se movimentar para disputar os financiamentos que serão concedidos nos próximos anos para projetos de infraestrutura. Alguns já iniciaram até a contratação de mais profissionais para atender essa área. Com carteiras que variam de R$ 10 bilhões a R$ 20 bilhões em análise neste ano, grandes instituições como Itaú, Bradesco, Santander e HSBC projetam expansão anual da ordem de 25%, acima do crescimento previsto para outros segmentos.

O ritmo de financiamentos a projetos já aumentou. Levantamento da Dealogic, feito a pedido do Valor, mostra que o volume de operações nessa modalidade foi de R$ 9,5 bilhões no ano, até agosto, superando os R$ 7,3 bilhões registrados no mesmo período de 2011.

O BNDES continuará a ter papel de destaque, respondendo por mais da metade do volume financiado, mas cada vez mais bancos e investidores privados terão espaço no segmento. Além dos bancos mais atuantes nesse tipo de crédito, outras instituições financeiras montam áreas específicas, como a Caixa Econômica Federal, ativa no setor de saneamento. Os americanos Morgan Stanley e J.P. Morgan também analisam projetos.

Por Fernando Travaglini e Silvia Rosa | De São Paulo

Banco se arma para infraestrutura

Os bancos esperam um verdadeiro “boom” de financiamento de projetos de infraestrutura a partir do próximo ano e já começaram a se movimentar. Com carteiras que variam de R$ 10 bilhões a R$ 20 bilhões em análise neste ano, as grandes instituições como Itaú, Bradesco, Santander e HSBC, projetam expansão anual da ordem de 25% dessa modalidade, acima de outros segmentos bancários.

O otimismo se materializa nas contratações de novos profissionais. Os bancos já pensam em ampliar as equipes de “project finance”. “Essa área trata de projetos com maturação de anos. Só contratamos quando esperamos uma expansão”, diz Alberto Zoffmann, diretor do Itaú BBA. “Há uma demanda reprimida e estamos buscando oportunidades” completa o executivo. O Itaú analisa cerca de 45 projetos que somam R$ 20 bilhões em investimento. A cifra corresponde ao tamanho dos projetos e não à fatia a ser financiada.

Segundo estimativa da Associação Brasileira da Infraestrutura e das Indústrias de Base (Abdib), os projetos de infraestrutura devem demandar investimentos de R$ 922 bilhões no período de 2011 a 2016, o que daria algo em torno de R$ 184,4 bilhões por ano.

Considerando a média de desembolsos do BNDES nos últimos dois anos, de R$ 55 bilhões, sobrariam R$ 130 bilhões para a iniciativa privada. Do total, segundo os bancos, entre R$ 80 bilhões e R$ 100 bilhões serão financiados por meio de dívida. O BNDES costuma participar com 60% a 80% do valor a ser financiado, mas diante do grande número de projetos previstos, espera-se que essa participação se reduza com a entrada de recursos da inciativa privada.

Só o pacote de concessões de ferrovias e rodovias, de R$ 133 bilhões, anunciado no mês passado, demandará investimento de R$ 79,5 bilhões nos próximos cinco anos. Novos programas estão previstos nas áreas de aeroportos, saneamento, energia e petróleo.

No Bradesco BBI, o número de financiamentos de projetos em estruturação já é maior que no ano passado. Entre eles estão os financiamentos para energia, rodovias e portos e um projeto de mineração integrado com a parte logística, diz Rui Gomes Júnior, responsável pela área.

O Bradesco também analisa alternativas para o pagamento de concessões dos três aeroportos leiloados neste ano: de Guarulhos, Brasília e Viracopos (Campinas). “Já há consultas de empresas também para disputa da licitação das rodovias BR 116 e BR 040”, diz.

Instituições que estavam fora do mercado também montam áreas novas, como a Caixa Econômica Federal, bastante ativa no segmento de saneamento mas que prepara um banco de investimento, e os americanos Morgan Stanley e J.P. Morgan.

Alexandre Castanheira, diretor do Morgan Stanley, afirma que a ideia do banco é participar do esforço de levantamento de recursos para projetos de infraestrutura, sempre pensando em uma saída via mercado de capitais. “Queremos atuar como assessor financeiro, levantando capital para diferentes estruturas, desde dívidas sênior até a parcela de ações”, diz.

O project finance é a ferramenta dominante no mundo para viabilizar os empreendimentos de infraestrutura por permitir que as receitas futuras dos projetos sejam usadas para quitar os empréstimos, sem necessidade de garantia dos acionistas e por prazos mais longos. Na Europa, antes da crise, era comum os bancos financiarem projetos de 10 anos a 12 anos. Cenário que deve mudar com as novas regras para o setor bancário conhecidas como Basileia 3.

No Brasil, no entanto, sempre coube aos bancos (incluindo o BNDES) assumir as fases de maior risco, como os projetos iniciais ou a fase de construção do empreendimento, com os chamados empréstimos-ponte, de prazos mais curtos, com o BNDES assumindo o longo prazo. A tendência agora é de maior participação das instituições financeiras em todo o processo, dividindo a parcela longa com os investidores privados.

Até por isso as debêntures de infraestrutura – emissão de dívida sob o regime da Lei 12.431, que conta com isenção de Imposto de Renda sobre os rendimentos para investidores pessoas físicas e estrangeiros – se mostram como alternativa. Segundo Sergio Monaro, diretor do HSBC, elas devem responder por 10% a 15% do percentual financiado, num primeiro momento, servindo ainda para os bancos liberarem capital para novos empreendimentos.

“Essa é uma opção para incrementar a alavancagem do BNDES. À medida que se repliquem os casos, o investidor pode querem ampliar essa fatia”, diz. No limite, as debêntures poderiam responder por metade do total.

Até agora houve apenas uma emissão por esse regime, do Grupo Triunfo, que captou R$ 100 milhões para a hidrelétrica Garibaldi, no Rio Canoas, em Santa Catarina, com taxa de 7,89% mais variação do IPCA. O Santander, coordenador da oferta, vai encarteirar os papéis até o fim da construção, para depois vender as debêntures no mercado secundário. Há outra oferta em andamento, da Autoban.

A expectativa de retorno ainda é uma incógnita, segundo executivos ouvidos pelo Valor. Como a taxa do BNDES, a TJLP, está em 5,5%, contra 7,5% da Selic, o prêmio para atrair investidores privados ainda precisa ser elevado.

Muitos acreditam que os investidores possam se interessar por debêntures com taxas reais (descontada a inflação) de 8% a 9%. Isso representaria um prêmio interessante sobre os papéis do governo atrelados a índices de preços. Em um projeto com taxa interna de retorno entre 10% a 12%, seria possível pensar nessa possibilidade.

A expectativa é que os papéis possam atrair duas fontes de recursos, primordialmente. O financiador clássico será o fundo de pensão brasileiro, em busca de retornos maiores em um cenário de queda da taxa Selic. O segundo aplicador esperado é o estrangeiro. “Já estamos em conversas com grandes fundos”, diz Eduardo Borges, do Santander. O discurso da presidente Dilma Rousseff ao anunciar as concessões de ferrovias e rodovias chamou a atenção desses investidores, diz Zoffmann, do Itaú. “O governo criou um ambiente positivo para o segmento.”

A princípio, os bancos esperam que os fundos estrangeiros que já têm recursos investidos em títulos público no Brasil possam destinar uma parcela para os papéis privados. “No passado, os investidores estrangeiros talvez nem quisessem conversar. Agora ligam para saber o que está acontecendo. É uma mudança grande”, diz Monaro.

Novos entrantes ainda estão fora de alcance. Além do desconhecimento desses fundos com relação ao país, o mercado brasileiro não está preparado para oferecer proteção cambial (hedge) para prazos tão longos. Há ainda a competição com outros emergentes, como Turquia e Indonésia, por exemplo.

Por Fernando Travaglini e Silvia Rosa | De São Paulo

‘Project finance’ atrai apenas US$ 9,5 bi

Os pacotes de concessões anunciados pelo governo e os investimentos previstos para o setor de infraestrutura devem impulsionar o aumento das operações de project finance no Brasil, mas os volumes ainda são tímidos. Levantamento da Dealogic a pedido do Valor mostra que o valor de operações dessa modalidade neste ano, até 31 de agosto, soma US$ 9,536 bilhões, referentes a 25 operações. No mesmo período do ano passado, eram US$ 7,315 bilhões.

Em todo o ano passado, o volume ficou em US$ 10,1 bilhões. O recorde foi em 2009, quando os financiamentos de projetos chegaram a US$ 23,7 bilhões.

Um dos entraves é que o Brasil ainda é muito depende do BNDES, que responde por cerca de 60% do total financiado. Até pela relevância do banco de fomento, o modelo de project finance nunca foi usado na sua forma clássica. Há duas condições para que se possa chamar um financiamento de “project finance”. A primeira é que todo o empréstimo seja quitado com a receita futura do empreendimento. A equação não é das mais difíceis e até o BNDES se vale dessa engenharia para fechar seus aportes.

A dificuldade está no segundo requisito necessário: a exigência de garantias. Para Fabio Alves Moura, sócio do escritório FHCunha Advogados Associados, especializado em projetos de infraestrutura, os financiamentos dependem de estrutura de garantias complexas, que em geral envolvem a participação das empresas.

De fato, no Brasil, todo financiamento de projetos exige uma garantia dos acionistas, que comprometem seus limites de financiamento ou precisam oferecer avais corporativos. Ao redor do mundo, por outro lado, o projeto fica “em pé” por si só.

Para Moura, o ideal seria que o BNDES caminhasse para um modelo alavancador de projetos, a exemplo de organismos internacionais, deixando a função de financiador para os bancos privados. O BNDES poderia se dedicar às fases iniciais dos projetos, acredita Moura, ou fomentando empréstimos sindicalizados, com a participação de vários bancos.

A tendência é que a prática permita uma evolução das estruturas, acredita Sergio Monaro, diretor do HSBC. Além disso, algumas operações específicas, como a compra de equipamentos importados e pagamento de outorgas nos leilões de rodovias, não são financiados pelo BNDES, e devem demandar recursos privados.

E ainda há espaço para crescer, principalmente quando se compara o volume investido em infraestrutura em outros países, diz Renato Sucupira, sócio da BF Capital e ex-diretor do BNDES Exim. Mesmo que o volume de aportes chegue a algo como R$ 150 bilhões por ano, isso seria equivalente a aproximadamente 3% do PIB, enquanto o Chile investe 6% do PIB e a Coreia do Sul já atingiu picos de 16% do PIB, diz o executivo da BF Capital, butique especializada em financiamento de projetos.

Até por isso os bancos devem ampliar sua participação. O Banco Votorantim fechou o primeiro semestre com desembolso de R$ 1,1 bilhão para project finance e analisa diversos projetos nas áreas de energia, mineração, rodovias, aeroportos e saneamento segundo Fábio Carneiro, responsável pela área no banco.

O Votorantim também analisa a emissão de papéis sob o regime da Lei 12.431 (que conta com isenção fiscal para estrangeiros). Mas, em geral, os investidores não se mostram dispostos a assumir os riscos de construção. “Em um primeiro momento, os bancos devem manter essas debêntures em tesouraria e esperar uma mudança de perfil de risco dos projetos para vender para os investidores”, afirma Martha Mendes, responsável pela área de project finance do banco.

Mauricio Xavier, chefe de financiamento de projetos do banco Caixa Geral Brasil, diz que as fontes de recursos podem vir ainda de organismos multilaterais. O banco participou da estruturação financeira do projeto do porto da Embraport, que contou com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A gestora Rio Bravo conta com 13 operações em carteira, que devem demandar um volume de investimento acima de R$ 15 bilhões, afirma Sergio Heumann, sócio-diretor da Rio Bravo Infraestrutura.

Por Silvia Rosa e Fernando Travaglini | De São Paulo

 

Origem: Valor Econômico

Procedência:  http://www.valor.com.br/financas/2833296/bancos-se-preparam-para-financiar-infraestrutura#ixzz26p8xJEWY

http://www.valor.com.br/financas/2833036/banco-se-arma-para-infraestrutura#ixzz26p9Fx3ec

http://www.valor.com.br/financas/2833038/project-finance-atrai-apenas-us-95-bi#ixzz26pAPZHep

 

Written by goppp

18/09/2012 às 09:36

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: