goppp

Informações e notícias sobre colaborações público-privadas

(VE) Ações de empresas do setor elétrico caem após anúncio

leave a comment »

A redução nos preços da energia elétrica anunciada pela presidente Dilma na quinta-feira à noite, de 16% para o segmento residencial e de até 28% para as indústrias, veio acima do esperado pelos investidores e fez com que as ações das elétricas registrassem quedas acentuadas ontem, após a volta do feriado de 7 de setembro.

A mais afetada foi a Cesp, geradora controlada pelo Estado de São Paulo. Ontem, suas ações caíram quase 6%, enquanto o Ibovespa subiu 0,14%. Desde o dia 29 de agosto, quando se intensificaram os receios em relação ao tom das medidas, a Cesp perdeu quase R$ 2 bilhões em valor de mercado na bolsa, que caiu de R$ 11,2 bilhões para R$ 9,4 bilhões.

Outra empresa que sentiu um forte impacto foi a Transmissão Paulista (Cteep), cujos papéis caíram 4% na segunda-feira. Em 2012, as ações da companhia já acumulam queda de 22%.

As ações ordinárias da Eletrobrás, contudo, registraram um desempenho melhor e fecharam o dia com uma queda de apenas 0,5%. O movimento sugere que há uma expectativa de que a estatal federal acabe sendo menos afetada pelas medidas.

O corte anunciado pela presidente Dilma nos preços da energia virá de duas frentes. Uma delas será a redução da carga tributária. A outra será a diminuição dos preços e, consequentemente, da rentabilidade obtida pelas geradoras e transmissoras de energia, cujos contratos de concessões vencem a partir de 2015. As declarações da presidente levam a crer que o governo será rígido para renovar as concessões.

Quanto mais antiga for a hidrelétrica, menor deve ser o preço da energia. Isso porque os investimentos para a construção da usina são amortizados com o tempo. Em Brasília, o presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, afirmou que o governo calculou os ativos não amortizados de cada usina, uma a uma, para renovar as concessões.

Quase 70% das concessões da Cesp terminam em 2015. Como as suas hidrelétricas foram construídas na década de 70, é possível que os preços da empresa sofram uma redução maior. A usina de Ilha Solteira entrou em operação em 1978, enquanto a de Jupiá começou a gerar energia em 1974. A usina de Jaguari foi inaugurada em 1973.

Segundo analistas, o custo operacional das usinas da Cesp gira em R$ 35 o MWh. Mas algumas hidrelétricas da Chesf, que pertence à Eletrobrás, possuem custos bem mais altos, em torno de R$ 60 e R$ 70 o MWh.

Resta saber se o governo vai garantir preços mais altos para as usinas da Eletrobrás, mesmo que elas sejam menos eficientes. A Chesf possui seis hidrelétricas cujas concessões expiram em 2015. Furnas, a mais antiga, entrou em operação em 1965, enquanto a mais nova, a de Marimbondo, foi inaugurada em 1977.

Por Claudia Facchini | De São Paulo

Bovespa aguarda pacote de energia

O mercado saberá hoje se toda a preocupação com as ações de energia nas duas últimas semanas realmente é justificada. A presidente Dilma Rousseff anunciará, às 11 horas, a segunda parte do pacote do setor, com regras para renovação das concessões de usinas que vencerão a partir de 2015 e o detalhamento da retirada de encargos sobre as contas de luz. Na quinta passada, Dilma já havia divulgado um corte de 16% no custo da energia para os clientes residenciais e de 28% para as indústrias.

Ontem as elétricas voltaram a cair forte na bolsa e impediram um avanço maior do Ibovespa, que terminou em leve alta de 0,14%, aos 58.404 pontos. Cesp PNB (-5,94%) liderou as perdas do dia, seguida por Transmissão Paulista PN (-4,09%), Cemig PN (-2,44%) e por Copel PNB (-2,14%). No caso da Cesp, dois terços de sua capacidade de geração são provenientes de concessões que vencerão nos próximos dois anos. Nas duas últimas semanas, suas ações caíram 24%.

“De forma geral, todas as ações do setor elétrico deixarão de ser atraentes para investir no curto prazo, dependendo dos preços de venda de energia que o governo determinar”, observou o gestor de fundos de uma instituição brasileira. No entanto, o mesmo gestor acredita que os preços dos papéis já embutem o pior cenário e podem sofrer uma correção para cima no pregão de hoje.

Não fosse o pessimismo com as elétricas, a segunda-feira teria sido brilhante para a Bovespa. As ações da Vale e da CSN subiram forte, corrigindo o atraso provocado pelo feriado de 7 de setembro, quando o minério de ferro e outras commodities marcaram altas expressivas no mercado internacional em função do pacote anunciado pela China, de mais US$ 150 bilhões de investimentos em infraestrutura.

O volume financeiro da bolsa foi expressivo, alcançando R$ 8,035 bilhões, sendo que apenas Vale PNA respondeu por mais de R$ 1,6 bilhão, cerca de 20% do total. O papel ganhou 2,96%, para R$ 35,10. A ação ON da mineradora avançou 3,67%, para R$ 35,79, com giro de R$ 463 milhões. CSN ON (6,08%, a R$ 11,16) liderou as altas do índice, seguida por Gol PN (5,54%, a R$ 9,90).

O papel da companhia aérea reagiu à notícia da coluna Radar, da revista “Veja”, de que a Qatar Airways estaria interessada em adquirir uma participação acionária na empresa brasileira. A Gol negou a informação. A Citi Corretora disse que o negócio faz sentido e elevou o preço-alvo das ações de R$ 9,50 para R$ 20,20.

“O governo está buscando melhora na qualidade dos serviços antes de eventos importantes como a Copa do Mundo. Esse motivo torna a estabilidade das operações da Gol um tema de interesse nacional. Com isto, acreditamos que mesmo que a empresa não seja vendida, algum tipo de apoio pode ser oferecido nos próximos meses”, afirmaram os analistas Stephen Trent, Juliano Navarro e Raian Santos.

ALL ON (-4,27%) figurou novamente na ponta negativa da bolsa. A concessionária de ferrovias sofreu com a decisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de realizar a primeira revisão tarifária em 15 anos. A agência reduziu as tarifas da ALL Malha Sul, ALL Malha Paulista e ALL Malha Oeste em 15%, 29% e 47%, respectivamente.

E HRT ON (-12,50%) voltou a desabar, desta vez por causa de um poço de petróleo seco na África. O poço Kabeljou, na Bacia de Orange, na Namíbia, no qual a empresa brasileira possui participação junto com a britânica Chariot Oil & Gas, foi declarado inviável comercialmente pela Petrobras, operadora do bloco. Entre as ações mais negociadas, Petrobras PN subiu 1,09%, a R$ 21,23; OGX ON perdeu 1,73%, para R$ 6,22; e Itaú Unibanco PN registrou alta de 0,58%, a R$ 32,59.

Por Téo Takar | De São Paulo

Origem: Valor Econômico

Procedência: http://www.valor.com.br/brasil/2824040/acoes-de-empresas-do-setor-eletrico-caem-apos-anuncio#ixzz269trVilZ

http://www.valor.com.br/financas/2823748/bovespa-aguarda-pacote-de-energia#ixzz269yJwQKF

Written by goppp

11/09/2012 às 08:15

Publicado em Empresas, Valor Econômico

Tagged with ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: