goppp

Informações e notícias sobre colaborações público-privadas

(BE) Advento planeja crescer com obras

leave a comment »

Grupo paulista de engenharia, construção e infraestrutura pretende participar de licitações de hospitais, de aeroportos e do trem-bala entre São Paulo e Rio de Janeiro

Dubes Sônego

dsonego@brasileconomico.com.br

O grupo Advento, de engenharia, construção e infraestrutura, passará a disputar concorrências de obras públicas a partir deste ano. Os negócios em vista são hospitais, terminais de aeroportos e o tremde alta velocidade, neste caso em consórcio com outras construtoras. De acordo com Juan Quirós, presidente do grupo, a meta é obter com o setor público, no médio prazo, entre 15% e 20% do faturamento, que neste ano poderá chegar a R$ 1,5 bilhão.

“Não entramos antes até pela minha participação no governo”, afirma o empresário, que ocupou a presidência da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) no primeiro mandato do governo Lula “Mas chegou nosso momento de participar, por uma questão de diversificação das receitas. Sabemos que em países emergentes o investimento público emprojetos estratégicos é importante. Não podemos virar às costas para o Estado”, diz.

A escolha das áreas de atuação está relacionada ao histórico de obras do grupo. Segundo Quirós, o Advento nunca construiu terminais aeroportuários. Mas argumenta que a estrutura de um é muito parecida com a de qualquer shopping center, com lojas, restaurantes e cinemas. E neste tipo de projeto o grupo tem experiência. “Estamos aguardando para ver qual será o modelo de licitação adotado pela Infraero”, diz.

De forma semelhante, a função do grupo em um dos consórcios que participarão do leilão do trem de alta velocidade será o de construir as estações. Quirós não diz o nome dos demais participantes do consórcio, apenas que os coreanos não estão entre eles. Ele estima que só as estações demandarão R$ 1,8 bilhão eminvestimentos.

No que diz respeito a licitação de hospitais, a expectativa do grupo é de que a melhora do poder de compra dos brasileiros tenha reflexos sobre seus anseios em saúde pública. O que, em última instância, levaria o poder público a investir na abertura de mais e melhores leitos. Como referências na área, o Advento tem no portfólio obras para hospitais como o Albert Einstein e o Samaritano.

Setor privado

A investida no setor público não quer dizer, porém, que o grupo pise no freio em relação aos negócios com o setor privado. Segundo Quirós, ao contrário. A empresa tem cerca de R$ 5 bilhões emprojetos orçados, a espera de resposta dos clientes. Normalmente, afirma ele, entre 15% e 20% deles se transformam emcontratos efetivos.

No ano passado, o grupo faturou R$ 926 milhões, 20% acima dos R$ 774 milhões registrados no ano anterior. O resultado ficou abaixo do R$ 1 bilhão estabelecido como meta por Quirós. Mas o empresário afirma que o motivo foi um “natural” atraso na conclusão dos projetos, e que a diferença entrará no caixa da companhia em 2011. “Da meta de R$ 1,5 bilhão, já temos em carteira R$ 1,1 bilhão”, afirma.

Segundo Quirós, no setor privado, o grupo tem concentrado a busca de novos negócios em indústrias impulsionadas pelo consumo do mercado interno, como alimentos, bebidas, cimento e automóveis, e commodities, como mineração, siderurgia e celulose

PELAS BEIRADAS

Estádios interessam, mesmo fora da Copa

O grupo Advento participou da disputa pela construção de alguns dos estádios que sediarão jogos da Copa de 2014 no Brasil. Entre eles, o do Corinthians, em São Paulo. Mas não levou nenhum. Ainda assim, Juan Quirós, presidente do grupo, acredita que poderão surgir bons negócios na área. A avaliação é de que clubes preteridos pela organização do mundial poderão reformar ou construir novos estádios, embalados pelo clima de realização do evento. O Grêmio, que entregou a construção de seu novo estádio à OAS, é um exemplo. No Sul, o Figueirense, que anunciou recentemente planos de reforma, é outro. Por outro lado, galpões para logística, outra eleita pelo grupo como foco de busca de novos negócios no ano passado, está sendo deixada de lado. O motivo, diz Quirós, é a baixa demanda no mercado por projetos com grau de tecnologia que garanta rentabilidade interessante ao construtor. “Virou uma commodity do ponto de vista de engenharia”, afirma. D.S.


META

R$ 1,5 bi é a receita esperada pelo Grupo Advento para 2011. O valor é 50% superior a meta estabelecida para o ano passado, não alcançada.

RECEITA

R$ 926 mi foi o faturamento do Grupo Advento em 2010. Contribuíram principalmente indústrias como cimento, celulose e automóveis.

TREM-BALA

R$ 1,8 bi é o valor estimado para a construção das estações do trem-bala brasileiro. OAdvento quer ser o responsável pelas obras.

GOVERNO

15% a 20% no médio prazo, esta é a participação que o grupo Advento quer ter de projetos públicos em sua receita

Grupo investe na formação de mão de obra

O déficit de pessoal qualificado é um dos maiores problemas que a companhia enfrenta para entregar os projetos dentro do prazo

Na avaliação de Juan Quirós, presidente do grupo Advento, o principal desafio de suas empresas neste ano não será bater a meta de vendas. Com a economia aquecida e o mercado de construção a todo vapor, o mais importante será garantirmão de obra para entregar os projetos em carteira no prazo, sem estourar o orçamento previsto. Por isso, o grupo decidiu criar um pacote de benefícios, baseado em saúde e educação, para treinar e reter profissionais sem entrar emguerras de preço.

Batizado “Viver e aprender”, um dos projeto de formação, que tem como ponto principal a alfabetização de adultos, começou a ser implementado no ano passado, quando foram formados 300 profissionais. Neste ano, o investimento foi ampliado e frequentam as aulas outros dois mil trabalhadores.

Segundo Quirós, todos os canteiros de obras que permanecerão em atividade por mais de doze meses estão ganhado escolas de ensino básico e ambulatórios, que atendem não só os funcionários, mas também seus familiares. Cada um deles custa R$ 67 pormês, contando a contratação de professores, a infraestrutura das salas de aula e de ambulatórios e a alimentação. “Estamos criando nosso banco de mão de obra”, afirma.

Em paralelo, o grupo também estuda a ampliação do quadro permanente de contratações diretas, hoje formado por 8,5 mil trabalhadores — na prática, o número já subiu significativamente desde o final de 2009, quando a empresa empregava 2,8 mil funcionários diretos.

Quirós diz que desconfia que, por causa da disputa por profissionais no mercado, a contratação indireta por empreitada, tradicional no setor, pode estar deixando de valer à pena. “Estamos conduzindo estudos internos para saber se nossa impressão está correta”, diz.

Somando trabalhadores indiretos, a demanda do grupo atualmente é de 15 mil funcionários. Mas ela tende a crescer significativamente em meados deste ano. Segundo o empresário, o Grupo Advento tem em carteira projetos que, no auge, demandarão até 6mil homens.

Em paralelo, o grupo toca um projeto de capacitação de profissionais de nível intermediário, orçado em R$ 2 milhões, que forma desde encarregados de obras a gerentes sênior; e a implantação de um novo sistema de tecnologia da informação (TI) para a gestão de obras.

Segundo Quirós, o controle dos custos nas obras é importante não só pelo aumento dos preços da mão de obra, mas também de materiais usados no acabamento e na estrutura dos projetos. Alguns, afirma, chegaram a subir 15% neste ano. Na média, a alta foi de5%a 8%, afirma. ■ D.S.

visite o site! www.brasileconomico.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: