goppp

Informações e notícias sobre colaborações público-privadas

(Brasil Econômico) CCP amplia participação de condomínios logísticos na carteira

leave a comment »

CCP amplia participação de condomínios logísticos na carteira

Escassez de terrenos e boa rentabilidadedo segmento levam empresa do grupo Cyrela a rever posição na área corporativa

Natália Flach
nflach@brasileconomico.com.br
 

A escassez de terrenos propícios para a construção de edifícios comerciais em São Paulo e no Rio de Janeiro fez com que a Cyrela Commercial Properties (CCP) reduzisse a participação do segmento em sua carteira de imóveis. Uma alternativa seria ampliar o portfólio de imóveis corporativos para outras praças. “Mas o tipo de produto que fazemos não é viável fora do eixo Rio-São Paulo. Até porque as empresas que abrem filiais fora da capital paulista acabam escolhendo escritórios pequenos”, diz Dani Ajbeszyc, diretor financeiro e de relações com investidores da CCP. Além disso, em outros mercados, o preço de locação é muito menor, enquanto que o custo de construção é quase o mesmo (leia mais abaixo).

Portanto, para compensar a redução desse segmento na carteira, a CCP decidiu darmais atenção ao setor de condomínios logísticos. “Ainda existem bons terrenos e os preços estão acessíveis para construção de condomínios logísticos”, afirma Ajbeszyc. Daí a importância da parceria firmada com a AMB Property Corporation, uma das maiores empresas do mundo em propriedades logísticas, em 2008. “Mas o acordo começou a valer mesmo no fim do ano passado”, diz o executivo. Segundo ele, a AMB tem 15 milhões de metros quadrados de galpões de qualidade. “A gente possui 183 mil metros quadrados, contando com os novos projetos de condomínios logísticos”, afirma Ajbeszyc. O valor estimado do portfólio da companhia (contando também com o segmento de escritórios e de shoppings) é de R$ 1,8 bilhão.

O segmento logístico também se caracteriza por dar bom retorno financeiro, o que se explica pela procura intensa por esse tipo de imóvel. “A tendência é que os galpões logísticos se valorizem ainda mais. No ano passado, os imóveis se valorizaram 15% em relação a 2009, e essa valorização deve se repetir neste ano”, afirma Mariana Hanania, gerente de Pesquisa de Mercado da Cushman & Wakefield. Segundo ela, outra tendência é que a vacância continue baixa em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. No ano passado, a vacância ficou em torno de 7,5%, sendo que o nível de equilíbrio é de 8% a 12%. Em 2009, a taxa era de 8,9%.

No ranking de custo do metro quadrado de galpões do continente americano, São Paulo e Rio de Janeiro aparecem em segundo e terceiro lugares, respectivamente, ficando atrás apenas de São Francisco, nos Estados Unidos. Os alugueis, no Brasil, aumentaram cerca de 4%, no ano passado, como resultado da crescente demanda por novos espaço industrial de alta qualidade, segundo pesquisa da consultoria. No entanto, o país com melhor desempenho em termos de crescimento das rendas na região foi o Equador, onde os alugueis aumentaram mais de 10% em 2010.


Escritórios de alto padrão ficam mais caros e escassos em SP e RJ

Até 2013, está prevista a entrega de 1,36 milhão de metros quadrados de lajes corporativas na capital paulista

Os aluguéis de lajes corporativas devem ficar ainda mais caros no Brasil.Umdosmotivos é a alta do Índice Geral de Preços —Mercado (IGP-M), que reajusta os contratos de locação.No acumulado de 12 meses, esse indicador registra aumento de 10,7%, de acordo com os cálculos da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Outra razão é a relação entre oferta e procura. De acordo comMariana Hanania, gerente de pesquisa de mercado da Cushman & Wakefield, existe uma grande demanda reprimida por escritórios de alto padrão, principalmente, noRio de Janeiro eemSão Paulo. “Alémdisso, os novos prédios têm mais qualidade, o que ajuda a valorizá-los”, afirma.

Segundo levantamento da consultoria, o estoque previsto para ser entregue na capital paulista, até 2013, é de 1,36 milhão de metros quadrados. Nas regiões que concentram escritórios de alto padrão—avenidas Paulista, Luís Carlos Berrini e Faria Lima —, o preço do aluguel varia de R$ 134,23 a R$ 85,40, por metro quadrado. A vacância nessas três localidades está entre 5,5% e 11,3%, sendo que o ponto de equilíbrio é 10%.

“Essas regiões estão próximas do esgotamento, por isso há migração de lançamentos de lajes corporativas para locais residenciais comboa infraestrutura, como os bairros Barra Funda e Paraíso”. A especialista destaca ainda o crescimento de Alphaville. “A prefeitura tem oferecido incentivos para atrair novos edifícios de escritórios, portanto, o volume de lançamentos aumentou, mas os preços dos aluguéis continuam abaixo do padrão, ficando em torno de R$ 60 o m²”.

Na capital fluminense, a situação é ainda mais delicada. O estoque previsto para ser entregue até 2013 soma apenas 491 mil metros quadrados. “O mercado todo tem5 milhões demetros quadrados e não há para onde ir, por causa das limitações físicas da cidade.” Considerando os prédios prontos no fimdo ano passado, a vacância da capital é de 5,7%,mas há regiões, como a Orla que chegam a ter somente 2,2%. Os valores de locação variam de R$ 65 (na Cidade Nova) a R$ 155 (na Zona Sul, sem previsão de entrega de novo estoque nos próximos dois anos).

Mariana aponta a Barra da Tijuca como o principal vetor de crescimento do mercado de escritórios no Rio. “Mas vemos potencial de crescimento em capitais como Salvador, Vitória, Curitiba, Porto Alegre e Brasília”.

É nestes locais que a Brookfield tem focado as suas operações. A incorporadora, que desenvolve o projeto dos prédios e os vende para grandes investidores, chegou a estudar a criação de um fundo para ser intermediário nos casos de permuta de terrenos. Mas, segundo Alessandro Vedrossi, diretor executivo da unidade de São Paulo, essa possibilidade está de “stand by”, assim como o fundo de que iria adquirir imóveis comerciais e ajudar a financiar a operação de novos empreendimentos. “O nosso foco continua sendo a venda dos ativos, porque existe ummercado comprador forte”, afirma. “Estudamos fazer um fundo de investimento imobiliário para pequenos investidores”, acrescenta. Além disso, o executivo conta que a companhia está estudando entrar no setor hoteleiro.

Visite o site! www.brasileconomico.com.br

Written by goppp

26/04/2011 às 10:10

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: